17 de nov de 2009

Roubará o homem a Deus?




Por: João H. R. Marçal
Ainda muito me indigna ler estudos bíblicos e artigos bíblicos ou teológicos a respeito de dízimos e ofertas. Eu havia prometido não falar mais sobre o assunto, mas a indignação é tanta que não tem como eu me calar.

Quero deixar claro, em primeiro lugar, que eu não sou contra o dízimo, e sim, contra as formas que a igreja usa para pedir dinheiro e, em muitos casos, coagindo, inibindo ou até mesmo ameaçando as pessoas a darem dízimos e/ou ofertas, pegando textos isolados da Bíblia e usando-os conforme bem entender, ouvi falar de igrejas que o membro, se não for dizimista ele não tem o direito de tomar a ceia.
O texto que alguns líderes mais gostam de usar é Malaquias 3:8 – "roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas". Pois bem, vamos analisar este versículo e ver quem estava roubando a Deus.

A primeira coisa que precisamos observar é: com quem Deus estava falando através do profeta Malaquias? O livro de Malaquias é uma exortação, então, quem estava sendo exortado por Deus nesta ocasião: vs. 1: "sentença pronunciada pelo Senhor contra Israel (grifo meu), por intermédio de Malaquias". Muitas pregações ouvi, dizendo que não devemos “judaizar” o cristianismo, ou seja, trazer para o cristianismo ritos judaicos, como guardar o sábado, por exemplo ou proibir o consumo de carne de porco. Esta sentença era para Israel, e não para a igreja de hoje, e isto tem que ficar bem claro, Deus tinha um motivo para dar a este povo a devida repreensão.

Nos vss. 6 e 7, ainda do cap. 1, diz:" O filho honra o pai, e o servo, ao seu senhor. Se eu sou pai, onde está a minha honra? E, se eu sou o senhor, onde está o respeito para comigo? – diz o Senhor dos Exércitos a vós outros, ó sacerdotes (grifo meu) que desprezais o meu nome. Vós dizeis: em que desprezamos nós o teu nome? Ofereceis sobre o meu altar pão imundo e ainda perguntais: em que te havemos profanado? Nisto, que pensais: A mesa do Senhor é desprezível."

Vemos aqui que o texto, ou a repreensão são para os sacerdotes, eles que não honravam a Deus e desprezavam a mesa do Senhor, este texto nos deixa isso muito claro. E não é diferente no texto de Ml 3:8, para quem Deus estava falando aquilo? Para os sacerdotes e também para os levitas. Como, por exemplo, vamos roubar nas ofertas se a oferta é algo voluntário? Como vou roubar algo que não sou “obrigado” a dar? Quem roubava nos dízimos e nas ofertas não era o povo que não dava e sim os sacerdotes e levitas que faziam mal uso desses dízimos e dessas ofertas que já haviam sido dadas pelo povo. É isto que tem que ficar bem claro para nós.

E nos vss. 1 e 2 do cap. 2 nos é dito o seguinte: "Agora, ó sacerdotes, para vós outros é este o mandamento. Se não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos Exércitos, enviarei sobre vós a maldição e amaldiçoarei as vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque vós não propondes isso no coração."

O problema não está no dízimo em si e muito menos ainda no pedir ofertas. A igreja precisa de dinheiro e este dinheiro precisa vir de algum lugar, mas as formas desenfreadas e estelionatárias que alguns líderes e instituições religiosas usam, para manter o seu luxo, pedem dinheiro ao povo. Unção da benção financeira, por exemplo, divulgado pela televisão recentemente, diz que para você ter esta unção tem que doar 900 reais, isto é totalmente antibiblico e um absurdo, é um ataque à inteligência de qualquer um. Mas, se por um lado temos líderes e pastores que usam a bíblia para buscar, de qualquer forma receber este dinheiro, por outro lado temos 1: pessoas que contribuem não somente por amor ao reino de Deus mas sim por interesses pessoais visando algo em troca, por exemplo, ser próspero na vida; e 2: pessoas com falta de discernimento que dão a eles o dinheiro tanto pedido.
Mateus 22:27 diz: "Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus."

A má compreensão do texto, a falta de um estudo mais aprofundado e o excesso de confiança nestes pastores, faz com que o povo se torne escravo do sistema religioso vigente. Há muitos outros textos usados para pedir dinheiro ao povo que são usados fora de contexto. O que tem que ficar claro para nós é que a Igreja precisa de dinheiro para suprir as suas despesas como: salário de pastores e funcionários, luz, água, material didático para estudos bíblicos, entre outras despesas, mas não para manter o luxo de alguns pregadores que têm espalhados pelo Brasil e pelo mundo.

O dízimo, como já me disseram alguns de seus defensores, existe desde antes da lei, Abraão deu o dízimo, como diz em Gn 14:20: "E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo." Até aqui o dízimo não era lei então não era obrigatório, não existia um propósito divino, pois ainda não havia sido instituído por Deus. Mas quando o dízimo foi instituído por Deus havia ali um propósito. Temos que nos lembrar, o dízimo fora instituído para Israel, o povo que se encontrava peregrinando pelo deserto para sustendo dos Levitas, única tribo que não havia se contaminado no evento do bezerro de ouro. Nm 18:24:" Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao SENHOR em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terá."

No Antigo Testamento o dízimo é um mandamento aos filhos de Israel, isto é deixado muito bem esclarecido em Lv 27:34, exatamente sobre os dízimos: "são estes os mandamentos que o Senhor ordenou para os filhos de Israel, no monte Sinal."
Tiago nos adverte em relação à lei na sua Epístola e diz assim no cap. 2 vs. 10:"Pois, qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos."
Então para aqueles que dizem que dízimo é lei tome cuidado, pois você pode estar obedecendo somente esta.

Há muitos estudos favoráveis ao dízimo, alguns têm a petulância de dizer que quem não dá no dízimo é mesquinho, está pecando, Deus não vai abençoar nem repreender o devorador ou abrir as comportas do céu. Assim como há estudos que defendem a tese da não obrigatoriedade do dízimo, que a lei se anula em Jesus, e toda a lei, não apenas aquelas que convém. O grande problema está nesses pregadores de heresias que querem, de uma forma estelionatária coagir as pessoas a darem o dízimo para suas instituições religiosas. O que eu não vejo, e faz tempo que não vejo, são pastores, principalmente os “midiáticos” pregarem Mt. 6:33 que diz: "buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."
Este texto de Mateus 6 que se inicia no vs 25 diz justamente isso, Jesus quer dizer o seguinte: vocês estão preocupados com tantas coisas, com o que haveis de se vestir, ou o que vão comer, mas preocupe-se apenas com uma, busquem a Deus, busquem o Seu reino, busquem a Sua justiça. Não se fala em dinheiro, não se fala em dar para ser abençoado, pelo contrário, fala-se em buscar a Deus e todas as outras coisas serão acrescentadas.

Somente se eu estiver muito errado ou louco pelo fato de ser o único que enxerga isto, se alguém puder, de uma forma bíblica me convencer o contrário, estou disposto a mudar, caso contrário faço das palavras de Lutero as minhas palavras.

A menos que vocês provem para mim pela Escritura e pela razão que eu estou enganado, eu não posso e não me retratarei. Minha consciência é cativa à Palavra de Deus. Ir contra a minha consciência não é nem correto nem seguro. Aqui permaneço eu. Não há nada mais que eu possa fazer. Que Deus me ajude. Amém.
Martinho Lutero

Um comentário:

  1. Meu querido, que texto! Há tempos não vejo uma explicação tão clara e tão bíblica. Vejo o dízimo como bíblico, pois está lá em fatos históricos. Mas não o vejo como algo obrigatório ou como premissa para as bênçãos do Senhor. O dízimo é algo que parte de um coração temente, de alguém que se envolve no ministério e o quer abençoar.

    Também não suporto as "manipulações estelionatárias" hoje praticadas pela igreja. Interessante lembrar que o texto de Malaquias se refere aos Sacerdotes e Levitas ao fazerem mal uso do dinheiro ofertado na Casa do Senhor.

    Quem terá peito para dizer a verdade? Quem ouvirá estas palavras?

    "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"

    ResponderExcluir