7 de fev de 2009

Henri Nouwen planejava escrever um livro sobre o credo apostólico. Porém, a morte de Adam, um jovem portador de grave deficiência, fez com que mudasse de idéia. Ele percebeu que, ao refletir sobre a morte do amigo, descobrira um mode de descrever sua própria compreensão da mensagem do Evangelho.

Adam não podia falar nem se mover sem ajuda. Sofrendo ataques contantes, passou a vida na obscuridade. Aos olhos do mundo, não era ninguém. Mas, para Henri Nouwen, tornou-se amigo, professor e guia. Foi Adam quem levou Nouwen a uma nova compreensão da fé cristã e do que significa ser Amado de Deus.

Em uma comovente memória pessoal, Nouwen conta desde seus desajeitados primeiros encontros com Adam, quando fora encarregado de cuidar dele pela manhã, até chegar a tornar aquele que era cuidado. Adam exerceu um importante papel na cura de Nouwen, levando-o a compreender o verdadeiro sentido da pobreza espiritual e da misteriosa graça do amor de Deus.
Em Adam, o amado de Deus, livro terminado poucoas semanas antes de sua morte, Nouwen deixou uma verdadeira reflexão sobre sua própria mensagem e legado.





Henri J. M. Nouwen foi padre católico e lecionou em diversos institutos teológicos e universidades em seu país natal, os Países Baixos, e nos Estados Unidos. Passou os últimos anos de sua vida com pessoas com deficiências físicas e mentais na Comunidade Arca em Toronto, no Canadá. Morreu em 1996. Escreveu muitos livros sobre a vida espiritual, vários deles publicados por Paulinas Editora, incluindo O sofrimento que cura; Mosaicos do presente; Crescer: os três movimentos da vida espiritual; A voz íntima do amor; Adam: o amado de Deus e o best-seller A volta do filho pródigo, atualmente na sua 15a edição, com mais de 50 mil exemplares vendidos no Brasil.





Nenhum comentário:

Postar um comentário